Processo de envelhecimento do olho pode contribuir para doenças graves

age-related.jpgDurante décadas, os cientistas têm procurado explicações sobre porque certas condições ocorrem com a idade, entre elas a perda de memória, depressão e doença de Alzheimer. A investigação aponta como suspeitos, o colesterol alto, a obesidade, as doenças cardíacas e um estilo de vida sedentário.

Agora, passam a estudar mais incisivamente o envelhecimento do olho. O “amarelecimento” gradual da lente e o estreitamento da pupila que ocorrem com a idade, por exemplo, podem perturbar o ritmo cardíaco, contribuindo para uma variedade de problemas de saúde.

À medida que a idade avança cada vez menos luz solar passa através da lente do olho e chega às células na retina que regulam o ritmo cardíaco (circadiano) do corpo, o seu relógio interno.

Os ritmos circadianos são processos hormonais e fisiológicos cíclicos que reforçam a “vigilância” do corpo pela manhã e relaxam à noite, permitindo que o corpo descanse e se recupere.


De acordo com o Dr. Carlos Augusto Moreira Júnior, chefe do Serviço de Retina do Hospital de Olhos do Paraná, este relógio interno depende de luz para funcionar corretamente. Estudos descobriram que as pessoas cujos ritmos circadianos estão fora de sincronia, como os que trabalham por turnos, estão em maior risco para uma série de doenças, incluindo insônia, doenças cardíacas e câncer.

As chamadas células fotorreceptoras da retina absorvem a luz solar e transmitem mensagens para a parte do cérebro que regula o relógio interno que, por sua vez, ajusta o corpo para o ambiente.

Devido a essas alterações de filtragem de luz, cientistas acreditam que com a idade, as pessoas devem fazer um esforço para se expor à luz solar ou iluminação artificial intensa quando não puderem ficar ao ar livre.

Os idosos estão particularmente em risco, porque eles passam mais tempo dentro de casa.

Instalar clarabóias e lâmpadas fluorescentes extras para ajudar a compensar o envelhecimento dos olhos pode se tornar importante.