Transplante a laser é realizado sem suturas e sem cortes no Hospital de Olhos do Paraná

dscn1834_640x480.jpgO transplante de córnea, que já tinha entrado na era do laser, acaba de incorporar uma nova tecnologia que o permite ser realizado sem sutura. O paciente não precisa receber pontos, nem curativos. Em aproximadamente uma semana ele retoma todas suas atividades, inclusive para a prática de esportes, contra os três meses do transplante convencional. A tecnologia está presente na rotina de poucos centros especializados do mundo, entre eles o Hospital de Olhos do Paraná, situado em Curitiba.

A nova modalidade de transplante é mais conhecida como transplante lamelar a laser sem sutura. Trata-se de uma cirurgia que, pelas suas características e precisão, “não entra no olho”, de acordo com o oftalmologista Hamilton Moreira, especialista em córnea e diretor do Hospital de Olhos do Paraná. Consequentemente, não existe a preocupação com possíveis traumatismos que possam surgir nos três meses em que pacientes submetidos ao transplante convencional possam sofrer. Simplesmente porque no transplante lamelar, não existem curativos ou pontos.

A tecnologia possibilita ao cirurgião estudar a córnea por diversos parâmetros, tais como espessura, tamanho, desenho e posição, o que torna todo o procedimento absolutamente personalizado para cada paciente. Essa mesma precisão impressiona inclusive na retirada da córnea do doador. Graças ao novo procedimento, é possível que uma só córnea seja aproveitada por até duas pessoas que aguardam por um transplante. E isso, de acordo com Hamilton Moreira, traz novo alento a quem aguarda na fila à espera de um doador. 

Atualmente, mais de cinco mil pessoas aguardam na fila para o transplante de córneas em todo o país. O Hospital de Olhos do Paraná tem contribuído para reduzir esse indicador, enviando mensalmente córneas para centrais de outros estados e recebendo pacientes com indicação comprovada para o transplante de vários estados, que realizam em Curitiba a cirurgia, por meio do programa “Transplante Fila Zero”. Para isso, basta que eles se cadastrem pelo fone (41) 3310-4107. 


Uma das primeiras transplantadas
A manicure Jeane Pereira Ramos (39 anos), de Itajaí (SC), foi uma das primeiras pacientes a ser submetida ao transplante lamelar com o laser sem suturas, em fevereiro passado. Por ser vítima de cicatriz irreversível na córnea provocada por uma cirurgia refrativa, o transplante acabou se transformando na última opção terapêutica para o seu caso. 
A cirurgia foi realizada no Hospital de Olhos do Paraná por indicação de médicos de sua cidade. Demorou aproximadamente 10 minutos. Jeane ficou apenas sob o efeito de colírio tópicos durante o procedimento. Deixou o centro cirúrgico sem curativos. “Nunca imaginei que seria tão rápido e seguro. Quando me dei conta, tudo havia terminado”, comemorou.