O que é?

É o nome dado ao erro de focalização da imagem no olho, fazendo com que a imagem seja formada após a retina. Isso acontece principalmente porque o olho do hipermetrope é um pouco menor do que o normal.

Sintomas

O hipermetrope geralmente tem boa visão ao longe, pois o seu grau, se não for muito elevado, é corrigido pelo aumento do poder dióptrico do cristalino, processo designado de acomodação. No entanto, na tentativa de focalizar a imagem para perto, o cristalino além de corrigir o grau de longe, ainda tem que aumentar mais 3 graus, para focalizar a imagem a 33 centímetros dos olhos, o que faz com que o mesmo ou não consiga focalizar a imagem ou sinta desconforto visual, geralmente referido como cansaço, ou dor de cabeça.

Causas

Entre as causas incluem situações onde a córnea ou o cristalino apresentam alterações no seu formato que diminuem o seu poder refrativo, como a megalocórnea, onde a córnea é mais plana do que deveria ser.

Diagnóstico

A Hipermetropia ocorre quando o ponto mais próximo do olho está mais afastado do que no olho normal, devido a uma anomalia do cristalino, uma insuficiente curvatura, causando assim, dificuldades em ver ao perto. O grau do hipermetrope geralmente diminui com o crescimento do olho. A hipermetropia pode também estar associada ao aparecimento de estrabismo acomodativo na infância. Os sintomas surgem, na maioria dos casos, ao redor dos 2 anos de idade, faixa etária em que deve ser efetuada uma correção total com lentes de óculos adequadas.

Tratamento

Para a correção do problema utilizam-se lentes convergentes ou convexas, cuja função é a de convergir a luz para a retina, onde se forma a imagem. A Hipermetropia pode ser corrigida também com o uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia refrativa. Tudo dependerá da indicação de um oftalmologista. A cirurgia refrativa realizada com Excimer Laser ou Lasik é uma importante opção de tratamento às pessoas com mais de 21 anos e grau estabilizado.