O que é?

Doença que atinge o nervo óptico e envolve a perda de células da retina que são responsáveis por enviar os impulsos nervosos ao cérebro. É a principal causa de perda irreversível da visão no mundo. Quando crônica é caracterizada pela perda da visão periférica (visão que permite perceber objetos ao nosso redor), devido a lesão das fibras dos nervos que se originam na retina e formam o nervo óptico. Quando agudo, ​ocorre porque a pressão interna do olho torna-se extremamente alta e causa perda súbita e grave da visão.

Sintomas

Um dos principais, no início da doença, é a perda da visão periférica. Neste estágio, a perda ocorre de forma sutil e, em muitos casos não é percebida pelo paciente. Por isto, afirma-se que o glaucoma é uma patologia “silenciosa”. Se o glaucoma não for tratado, o portador apresenta o que os médicos chamam de “visão tubular”, ou seja, apenas a visão central é percebida. Ele tropeça e esbarra com frequência em objetos, porque não tem percepção periférica.

Causas

Aumento da pressão intraocular, ou seja, dentro dos olhos. Mas esta não é a única causa da doença. Existem outras formas de glaucoma nas quais a pressão intraocular é normal.

Diagnóstico

Um dos principais, no início da doença, é a perda da visão periférica. Neste estágio, a perda ocorre de forma sutil e, em muitos casos não é percebida pelo paciente. Por isto, afirma-se que o glaucoma é uma patologia “silenciosa”. Se o glaucoma não for tratado, o portador apresenta o que os médicos chamam de “visão tubular”, ou seja, apenas a visão central é percebida. Ele tropeça e esbarra com frequência em objetos, porque não tem percepção periférica.

Tratamento

Consiste em reduzir a pressão intraocular do paciente. Isto pode ser feito com medicamentos (geralmente colírios) ou procedimentos cirúrgicos.

Tecnologia Revolucionária

O Hospital de Olhos do Paraná conta com um procedimento minimamente invasivo no tratamento do glaucoma. O avanço, presente em poucos centros oftalmológicos do país, é o “iStent – Trabecular Micro By-pass”, produzido pela Glaukos Corporation. Em todo o mundo, já são mais de 300 mil implantes realizados empregando a técnica. Ela é indicada para portadores de glaucoma primário de ângulo aberto nos estágios leve e moderado (as formas mais comuns da doença). A tecnologia pode ser empregada isoladamente ou em conjunto com a cirurgia de catarata. E é considerada como uma nova era no tratamento do glaucoma. Foi desenhada e pesquisada por mais de uma década para reestabelecer a habilidade natural do olho em drenar o humor aquoso que causa o aumento da pressão intraocular (PIO). Com a pressão mantida a níveis normais, o paciente pode ficar inclusive livre do uso dos colírios, o que permite significativa melhora de aderência ao tratamento.