O que é?

Doença oftalmológica que afeta a mácula, estrutura ocular situada no centro da retina. Diz-se também que o buraco é uma espécie de “falha” na superfície da retina central. Esta falha provoca alteração sensorial, justamente na região de maior importância para a visão, levando ao comprometimento de campo central e reduzindo a acuidade visual. O portador deixa de ler e enxergar, mas não sofre perda da visão periférica. Pessoas de ambos os sexos com mais de 40 anos têm maior predisposição.

Sintomas

Distorção da imagem dos objetos, visão dupla e dificuldade para ler são os principais.

Causas

Não é totalmente compreendida ainda. Teoricamente, imagina-se que o Buraco da Mácula pode ser ocasionado pela força exercida pelo vítreo, com o avanço da idade. Fatores relacionados à alta miopia, exposição acentuada ao sol e traumas oculares contusos também são prováveis causas da doença.

Diagnóstico

O exame de fundoscopia (mapeamento da retina) é o diagnóstico apropriado para identificar se uma pessoa tem Buraco na Mácula. Tecnologias mais modernas vêm sendo empregadas mais recentemente, tais como a tomografia de coerência óptica, também chamada de OCT, que determina em detalhes o tamanho e particularidades do buraco da mácula. O Hospital de Olhos do Paraná foi um dos primeiros centros oftalmológicos do país a inseri-lo em sua rotina.

Tratamento

O passo inicial é buscando ajuda com o oftalmologista, especialmente a partir dos 40 anos. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhores os resultados do tratamento, que é feito por meio da vitrectomia, uma cirurgia oftalmológica pela qual é retirado o vítreo com sangue e substituído por uma solução transparente.